Dia de Campo da Unijuí propõe cardápio de outono alternativo para alimentar bovinos de leite


Considerado período crítico, o outono tem desafiado os pesquisadores a buscar soluções para suprir a baixa oferta de comida no campo, disponível ao gado de leite nos meses de março a maio.


Dia de Campo da Unijuí

Considerado período crítico, o outono tem desafiado os pesquisadores a buscar soluções para suprir a baixa oferta de comida no campo, disponível ao gado de leite nos meses de março a maio. Na terça-feira (15/5), professores e pesquisadores da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí) e Embrapa Pecuária Sul tiveram a oportunidade de apresentar o resultado de pesquisas feitas nesse sentido no 4º Dia de Campo sobre Pastagens e Produção Animal.

O evento, realizado no Instituto Regional de Desenvolvimento Rural (Irder), em Augusto Pestana, reuniu mais de 400 pessoas e foi promovido pela Unijuí, com apoio do Programa Pesquisa-Desenvolvimento em Sistemas de Produção com Atividade Leiteira do Noroeste do RS (Rede Leite). "O objetivo é mostrar ao produtor que ele tem espécies forrageiras diferentes para distribuir às vacas", disse o professor da Unijuí, Adriano Maixner.

 Em uma das áreas experimentais do Irder, Maixner apresentou várias espécies perenes de verão, como capim elefante, capim elefante roxo, capim elefante anão e capim elefante HB, amendoim forrageiro, mombaça, tifton 85, pensacola, estrela africana, coast cross, hemarthria e aruana. "Nesta época, o produtor poderia tentar introduzir outras espécies, além do tifton, que está com qualidade menor no período", sugeriu o professor da Unijuí.

 Outra maneira de aumentar a oferta de pasto no outono foi apresentada pelo pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Gustavo Martins. Ele mostrou uma área coberta com tifton 85, roçada após a retirada dos animais no dia 15 de março. Sobre a grama tifton 85 foram semeadas, antecipadamente, em abril – o produtor normalmente planta em junho -, aveia preta, centeio, azevém e trevo vesiculoso. "Na área roçada, a pastagem de inverno semeada se desenvolveu melhor, porque não precisou competir por água com o tifton", concluiu o pesquisador da Embrapa Pecuária Sul.

 A garantia de pasto, todavia, depende de solo bem drenado, explicou o também pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Leandro Volk. Utilizando dois blocos de solo, retirados de lugares diferentes do campo experimental do Irder, Volk mostrou a incontestável diferença entre o bloco de solo que havia sido pisoteado diariamente pelos animais e, portanto, ficou compactado, e o bloco de solo bem drenado, retirado de área em que os animais não tinham mais acesso. Nessa situação, as raízes desceram cerca de um metro e a parte aérea do pasto cresceu verticalmente, contrastando com as plantas e raízes rasteiras, agredidas diariamente, do bloco de solo compactado.

 Para o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, João Schommer, o grande número de produtores de leite no evento evidenciou a importância social e econômica da atividade leiteira para o Noroeste gaúcho. Nessa região se concentra a maior bacia leiteira do Estado, são mais de 4 milhões de litros produzidos diariamente. "Se não fosse o leite o produtor não poderia ficar mais na propriedade rural", concluiu a produtora de leite Marisa Dierigs.

 

Informações

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar Regional de Ijuí

Jornalista Cleuza Noal Brutti

 

 

  




Outras imagens

Estação sobre manejo de solo em pastagem de Tifton

Estação sobre forrageiras tropicais

Estação sobre crescimento de terneiras

Estação sobre manejo de pastagem de Tifton